Cadastre seu email e receba este eBook gratuitamente.
quero receber

Saiba detalhes da Lei da Palmada aprovada nesta semana

lei da palmada

Você apoia ou não a nova lei, aprovada no último dia 04.06.2014, no Congresso Nacional? Ou melhor, você entendeu o verdadeiro objetivo da necessidade para a existência desta lei?
Sabemos que o bater não resolve o problema comportamental que a criança ou adolescente, por hora apresenta. No ímpeto da raiva o adulto pode acabar ultrapassando o limite onde o que seria apenas uma palmadinha, chega a uma séria agressão. Não é à toa que quem bate denota grande angústia, após o ato praticado, sendo explicado pela psicologia como um momento de arrependimento, quando o stress, ou raiva foram descarregados por meio de tal ação agressora.
Para conhecermos melhor a dita Lei 7672/10, que ao invés de Lei da Palmada foi renomeada por Lei Menino Bernardo, em homenagem ao garoto Bernardo Boldrini de 11 anos, encontrado morto no interior do Rio Grande do Sul, onde o pai e a madrasta são suspeitos pelo homicídio, fazemos o seguinte questionamento: que tipo de raiva foi essa que levou seus familiares a perderem totalmente a razão e a emoção para tão friamente fazer mal àquele menino, cometendo tal violência?
E a resposta à qual chegamos é que o ser humano quando tomado pela raiva, nervosismo e descontrole pessoal/emocional, age de maneira repentina que nem ele próprio reconhece; em entrevistas com homicidas, onde confessam o crime e depois se dizem arrependidos, ou seja, praticaram a ação sem dó nem piedade no momento da raiva e depois, se tivessem como voltar atrás, voltariam; dando a impressão de que são duas pessoas completamente diferentes.
O descontrole emocional faz com que as pessoas percam totalmente a razão e emoção.
Por isso, é possível sim, ensinar e educar sem bater, ninguém dá o que não recebe. Se uma criança recebe somente tapa, ela crescerá desenvolvendo o mesmo ímpeto de violência que é praticado contra ela, principalmente nesta fase da infância, onde a criança aprende muita coisa por imitação.
Assim quando não se usa de violência, mas sim de compreensão e amor, esta ação será recíproca, existem mil formas e segredos para se educar uma criança nos dias de hoje de maneira diferente do tempo dos nossos avós e bisavós, onde tudo era resolvido nas palmadas.
O que a Nova Lei propõe é apenas que as pessoas adultas sejam mais pacientes e esclarecidas, que busquem ajuda, para educar sem bater. A Lei não tem intenção em levar nenhum pai ou mãe para a prisão porque deu uma palmada no filho, mas sim tentar evitar que essa palmada aconteça, porque na hora da raiva, o adulto pode perder muito mais que a paciência, e machucar de maneira absurda uma criança, que muitas vezes só queria mais a atenção do seu papai e da sua mamãe, que quase sempre andam cada vez mais ocupados. Reflitam, conheçam e percebam se precisam ou não mudar seu comportamento e tratamento com seu filho no dia-a-dia.
Dica: tente pensar com tranquilidade, antes de qualquer ação com seus filhos, na dúvida do que fazer naquela hora, converse, o diálogo é maneira mais saudável para dar uma boa educação nos dias atuais. Sucesso!

Fonte: texto retirado do livro Manual da Criança, autora: Angela Maria de Sousa Vilhena (todos os direitos reservados)