Cadastre seu email e receba este eBook gratuitamente.
quero receber

A importância da figura paterna

Muitos homens não sabem ou nunca pararam para refletir o quanto são importantes como pais para seus filhos. Fizemos a seguinte pergunta para três crianças, filhos de um mesmo pai para avaliarmos a semelhança e a diferença do pensamento de cada uma em relação à figura paterna, e perguntamos também para uma criança de três anos, que não conheceu o pai, criada apenas pela mãe.

Perguntamos: O que seu pai representa para você, quem é o seu pai?

– A primeira resposta foi do filho de 12 anos.
R. “Para mim ele representa proteção, além de ser divertido e meu companheiro. Eu aprendi a desenhar com o meu pai.”

– A segunda resposta foi da filha de 7 anos.
R. “Meu pai representa amor, paixão, amizade, e é muito bom ter um pai.”

– A terceira resposta foi do filho de 4 anos.
R. “ O meu pai cuida de mim, eu gosto muito do meu pai e ele é bom para fazer comida.”

– Resposta da criança de 3 anos criada apenas pela mãe.
R. “Ué, meu pai é a Ana Cristina, ela é tudo de bom para mim, ela diz que me ama muito!

Observamos que nas quatro respostas a semelhança foi a presença de sentimentos, as quatro crianças sorriram quando ouviram a pergunta e demoraram alguns segundos na elaboração da resposta. E a diferença foi a maneira com que foi justificada essa representação da figura paterna para cada uma delas.
Denotamos que o sorriso – é uma reação emocional e que a resposta – é uma reação de sentimento.

Para entendermos claramente essas duas citações, buscamos resposta na visão psicológica de Damásio.

Segundo Damásio, o que distingue essencialmente sentimento de emoção é: enquanto a primeira é orientada para o interior, o segundo é eminentemente exterior; ou seja, o indivíduo experimenta a emoção, da qual surge um “efeito” interno, o sentimento. Os sentimentos são gerados por emoções e sentir emoções significa ter sentimentos. Na relação emoção / sentimento, Damásio diz ainda que apesar de alguns sentimentos estarem relacionados com as emoções, existem muitas que não estão, ou seja, todas as emoções originam sentimentos, se estivermos atentos, mas nem todos os sentimentos provêm de emoções (2000).

Vale ressaltar, contudo que o ser humano tem memória emocional, ou seja, a relação pai e filho vai se tecendo a partir do olhar, do tocar, daí o sentimento se concretiza na memória infantil, durando para a vida toda. O sentimento complementa as (…emoções que são experiências subjetivas que envolvem a pessoa toda, a mente e o corpo. 2001, Pinto)

Avaliamos então que a figura do pai é muito mais que uma simples emoção, é uma teia de sentimentos no ser de um filho; crianças ainda muito pequenas já conseguem dar uma resposta concreta para o significado de se ter um pai, e no caso específico da quarta criança, a figura do pai foi substituída pela mãe.
“A neurociência tem buscado explicação em que as emoções são respostas neurológicas e fisiológicas a estímulos externos e internos, coordenados pelo próprio pensamento que envolve as estruturas do sistema límbico – comportamento emocional e memória”. (https://psicologado.com/psicologia-geral/introducao/as-emocoes)

Quanto a ausência da figura paterna, é fato que essa falta progenitora acarretará à vida da criança, adolescente ou jovem uma carência afetiva e prejuízo social. Vasconcellos (1997) afirma que “o pai é o protetor e tem um papel similar ao útero; isto é, faz o limite entre o mundo interno e externo, protegendo a família e dando-lhe condições para sobrevivência”. Contudo, o pai só fará parte desta dinâmica, se for introduzido pela mãe, se a mãe permitir.

Hoje, nossa sociedade mudou e o conceito de família também. Aceitando ou não determinadas situações, o mundo moderno e as mudanças que ocorreram na sociedade, fazem parte de nosso dia a dia.

A verdade é que as famílias já não são mais estruturadas como antigamente, desde que a mulher adquiriu direitos que não possuía, muitas vezes há inversão de papéis dentro de casa, mesmo com a figura paterna presente, ou seja, pai é aquele que cuida, protege e mantém a ordem de uma casa, complicado isso, porque nos dias atuais uma mulher muitas vezes consegue também perfeitamente manter a ordem da casa sozinha; é por isso que muitas mães podem ser vistas como figura paterna, uma vez que esta ocupa o lugar deste pai que faltou, mesmo ele existindo.

Já a falta de um pai que morreu ou que está preso, é vista de maneira mais sofrida, de difícil explicação e até mesmo de difícil substituição, essas faltas serão na maioria das vezes, faltas graves de complexa compreensão.

Feliz Dia dos Pais!

ESTA MATÉRIA FOI PUBLICADA NO JORNAL DO RIO – JORNAL DO TREM E FOLHA DO ÔNIBUS EM AGOSTO DE 2016.

Enviar comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *