Cadastre seu email e receba este eBook gratuitamente.
quero receber

Adaptaçã escolar…

Antes de mais nada é imprescindível que tentemos nos colocar no lugar das crianças e façamos um pequeno exercício de reflexão.
Imagine você em um emprego novo, em uma festa ou evento em que não conheça ninguém. Como se sentiria?
Nós adultos conseguimos explicar, ou até de forma racional compreender esses sentimentos de estranhamento e apesar da situação desagradável, conseguimos superar esses obstáculos e nos adaptar ao novo rapidamente, mas com as crianças não funciona assim, podendo ser um pouco mais demorado.

São vários os momentos em que as crianças passarão por adaptações e readaptações escolares.

Sempre ouvimos: “Nenhuma mudança é fácil!” e para que uma adaptação escolar ocorra da melhor maneira possível, precisa ser bem conduzida, minimizando sofrimentos desnecessários.
Quando nos preparamos para as situações, estas acabam sendo menos dolorosas do que se apresentavam. Quanto menor o filho, mais difícil parece a separação e maior a ansiedade dos pais.
O bebê não fala e isso provoca nos pais um vazio, pois não têm o registro que gostariam de como foi aquele dia do ponto de vista do bebê. Que bom seria, não é?
Até uns cinco ou seis meses de idade a adaptação é mais dos pais, que não sem razão, ficam apreensivos em ter que confiarem os cuidados dos seus pequenos a terceiros.
O bebê nessa idade pode estranhar a nova rotina, mas ainda não estranha pessoas ao ponto de protestar e, sendo assim, essa transição costuma ser bastante tranquila.
Depois dos sete ou oito meses de idade, alguns bebês já estranham e então é preciso atentar para alguns detalhes.
Segue 10 informações pertinentes a este tema:

1. Qual é a idade certa para a entrada na escola?
Os pais são quem escolhem a idade que necessitam colocar o filho na escola, os berçários modernos estão preparados para receber crianças a partir de 6 meses, abrindo uma exceção, já recebem crianças até com 4 meses, devido a licença maternidade da maioria das mamães durar apenas 4 meses.
Até os dois anos de idade, é normal as crianças apresentarem viroses com mais freqüência, devido à convivência com as outras crianças e pelo motivo do seu sistema de defesa imunológico ainda não ter alcançado a sua plenitude.

2. Como prepará-lo para o ingresso na escola?
É importante não esconder nada. Explique que ele vai para a escola a partir de um determinado dia, que você vai levá-lo, vai buscá-lo e que o acompanhará no início. Mas é importante não exagerar, não falar como se ele estivesse indo para um bufê infantil, para que ele não fique frustrado.

3. Qual é o papel da escola na adaptação?
A escola é representada pela figura da professora, que tem um papel fundamental. Os pais podem acompanhar
tudo por meio dos relatos delas, que, nesse período inicial, devem estar mais atentas do que nunca ao comportamento e à alimentação das crianças.

4. Qual é o papel da família na adaptação?
Para o pai e a mãe, a adaptação começa na escolha da escola. Feita a escolha, a família tem que conhecer os
rituais da escola, frequentar as reuniões que antecedem o início das aulas e abrir um canal de comunicação com o professor.

5. Por quanto tempo o pai ou a mãe devem ficar na escola?
O tempo mínimo é de um ou dois dias. O tempo máximo varia de criança para criança, mas, em geral, uma semana
ou dez dias são suficientes. Se após esse tempo o seu filho ainda não estiver adaptado e continuar exigindo a sua presença, o melhor é conversar com a coordenação da escola para saber como agir. Talvez seja o caso de pensar em
outra estratégia de adaptação. Uma dica importante: nunca vá embora sem se despedir do seu filho. Ele pode se sentir traído e inseguro em relação à escola.

6. Como lidar com o choro?
É preciso identificar se não é um choro manipulatório, pois há crianças que fazem uso dessa artimanha para
impedir que os pais as deixem. Muitas vezes, a criança chora ao ver o familiar se afastando, mas, logo depois, para e começa a brincar com os coleguinhas.

7. É normal sentir culpa ao deixar o filho na escola?
Sim. É normal principalmente quando o filho ainda é bebê. É claro que, para ou pai ou a mãe, sempre será
difícil deixar um bebê nas mãos de um desconhecido (ou quase desconhecido), mas, lembre-se, uma hora ou outra, o momento de ir para a escola chegaria. O melhor é esquecer a culpa, pois a insegurança dos pais é facilmente percebida pelos filhos.

8. Quando a criança passa da Educação Infantil ao Fundamental, é necessário um período de adaptação?
Sim. Em geral, a própria escola faz esse ritual de passagem, mostrando às crianças e aos pais as novas salas de
aula, o material que será utilizado e explicando quais serão as novidades que vêm com essa nova etapa. Se houver uma troca de escola, é importante que os pais estejam mais disponíveis nos primeiros dias.

9. Como deve ser feita a adaptação de uma criança que vem de outra escola?
Uma mudança de escola é sempre um pouco mais difícil. Por isso, deve ser muito bem planejada pela família. Se
possível, o ideal é que a criança conheça a escola e os professores ou o coordenador antes de as aulas começarem. Isso é importante para que ela tenha referências, saiba a quem recorrer caso tenha dúvidas ou problemas.

10. Como os pais podem participar e ajudar no período de adaptação?
Além de acompanhar os primeiros dias da criança na escola, é importante que a família se envolva, conheça as instalações da escola, os professores, os coordenadores e os pais dos outros alunos. E, quando as aulas começarem, não bombardeie o seu filho com perguntas. É importante escutar o que ele tem a dizer e perguntar o que aprendeu, mas nunca pressione por respostas.

Fontes:
Karen Kaufmann Sacchetto: Pedagoga, Especialista em Distúrbios de Aprendizagem, Mestre em Distúrbios do Desenvolvimento
Luciana Fevorini: Doutora em Psicologia Escolar
Alessandro Danesi: Pediatra do Hospital Sírio Libanês/SP
Ângela Vilhena: Psicopedagoga Clínica e Institucional, mestranda em Educação)

Enviar comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *